Preparando o bife perfeito

como-preparar-carne-suculenta-mal-passada-vivendo-junto-blog

Olá galere, hoje eu gostaria de entrar num assunto que eu gosto bastante: Como preparar o bife perfeito.

Mas não é comer qualquer coisa, nem de qualquer jeito. É comer carne. Como num bom churrasco ou mesmo como num bife bem feito. Mas como fazer? Bem passado, mal passado ou ao ponto?

Eu fui criado com o conceito de que carne boa era carne bem passada com pouco sugo e as vezes um pouco torrada. Mas isso era em casa, na casa da avó. Quando cresci, comecei a entender que as coisas eram diferentes lá fora, a comida que eu gostava mais começou a ficar mas saborosa e eu não sabia o porque. Dai foi que descobri, carne não precisa estar torrada, muito menos seca.

Saindo de casa

Depois que comecei a morar sozinho acabei pegando gosto em fazer bifes. Com o passar do tempo e alguma decepções, comecei a preferir carnes de açougue ao invés das que vem embaladas a vácuo e estão a não sei quando tempo nas gôndulas dos supermercados. Sim, já comprei carne estragada sendo vendida na boa, mas enfim… Num determinado evento, um churrasco da galera, eu fui ver no youtube como fazer um bom churras, afinal o que você não sabe você vai atrás que quem sabe.  E o google/youtube hoje em dia sabe pra cacete! (Sou da época do “cadê”, do “icq”, então sem julgamentos.)

Dai me deparei com um vídeo muito legal, sobre cortes de carne e como cortar. Ai você vem e pergunta: “Como cortar um bife?” e eu respondo: “Não, como separar uma peça de carne de outra peça de carne!”. Tipo como era antigamente mesmo, matar o boi e separar a bagaça toda. ÓBVIO que nem se compara, porque hoje em dia quem mata um boi no meio da cidade de São Paulo? O que chega perto é uma peça comumente vendida no açougue como peça da alcatra, que vem maminha, miolo de alcatra e picanha num preço bem convidativo. Uma peça dessas tem em torno de uns 7/8 kg e sempre que faço um churrasco compro uma dessas. Segue o vídeo que achei e me ensinou como fazer.

Carne não é tudo igual

Depois disso, aprendi muita coisa… Hoje, por gosto próprio, sempre faço bifes grossos, pelo menos uns 2 dedos de espessura. A carne sempre tem que estar molinha e avermelhada, não dura e vermelho escuro. esses são os extremos entre carne boa e carne ruim.

Agora, sabendo disso, podemos seguir para a parte de fazer o bicho. Pegando seu bife, tempere-o a gosto (o meu gosto é apenas sal, a Deh gosta com um pouco mais de alho e pimenta do reino), e eu não estou aqui para dizer o correto, o correto é como você gosta!
Mesmo fazendo na churrasqueira ou na frigideira, achar o “ponto” da carne tem algumas regras e truques. Existe a regra do dedo, que é a que eu uso.

Pontos-da-carne-vivendo-junto

Na minha opinião isso também é gosto. No meu caso, prefiro entre mal passado e ao ponto para mal passado.
Hoje consigo pedir um bife e consigo saboreá-lo da melhor maneira que posso. Consigo fazer um bife no pão (sem julgamentos) com queijo super suculento. De uma certa forma, saber isso, ter esse controle me faz me sentir bem. Acho que isso significa crescer!

Vlwflwsss

8 Comments

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*